como ser repórter

Como ser Repórter: Dicas, Salário e Áreas de atuação

Sem dúvidas, desde criança, você sempre observou os repórteres em telejornais, programas televisivos e pelas ruas.

Sempre muito seguros e envoltos até mesmo em uma certa “aura de mistério”, dificilmente deixam transparecer todo o trabalho que existe até aquele momento.

E cá entre nós: 

Quem nunca teve curiosidade em saber como são feitas as matérias, reportagens, entradas ao vivo e todos esses bastidores que envolvem uma notícia?

Se você chegou aqui, sem dúvidas já teve essa curiosidade e tem interesse em saber mais sobre como ser repórter.

Então, vem com a gente que te contamos tudo!

O que faz um repórter?

Quando falamos sobre a atuação do repórter, primeiro é preciso entender que este é um cargo dentro do jornalismo.

Uma pessoa formada em jornalismo pode atuar em diversas frentes e cargos, por exemplo:

  • Agência de notícias;
  • Assessoria de imprensa;
  • Marketing e Endomarketing;
  • Redator;
  • Revisor;
  • Editor de texto;
  • Fotojornalista;
  • Apresentador;
  • Produtor.

Ser repórter, portanto, é uma das possibilidades que o jornalista tem de atuar na área de formação.

Veja também: Jornalista: O que faz, Salários e Áreas de atuação

De forma geral, a função principal do repórter é reunir e organizar as informações, dando contexto ao fato abordado, de forma coerente, ética e de fácil entendimento ao público.

E esse talvez seja o seu desafio de maior responsabilidade: ele é a ponte entre o fato e o público receptor da mensagem. 

Caso sejam passadas informações ou contextos errados, todo o seu trabalho se torna um desserviço à população.

E isso é algo muito sério!

É muito comum que, ao relembrar de algum fato marcante, seja necessário recorrer às reportagens da época em questão para ter o registro fiel do fato.

Da mesma forma, em tempos atuais de muitos dados soltos ao nosso redor, uma matéria ou reportagem apresenta informações checadas, em um grau de veracidade e autenticidade que nenhum outro registro extra-oficial possui.

Alguns estudiosos, inclusive, definem os jornalistas como “historiadores do presente”.

Em resumo são obrigações do repórter:

  • Coletar informações;
  • Entrevistar;
  • Checar fatos;
  • Redigir e editar textos;
  • Produzir reportagens gravadas;
  • Fazer entradas ao vivo.

Atuação do repórter na prática

A depender do meio e veículo que o repórter estiver, porém, o processo de construção do material pode acontecer de formas diferentes.

Em meios mais tradicionais, como televisão, por exemplo, conta-se com uma equipe maior dando suporte na coleta de informações, apuração e produção de notícias.

Nesses casos, junto à equipe de redação, são definidas as pautas (o assunto tratado) e as abordagens. 

Em seguida, os produtores vão atrás das informações: fontes, entrevistados, personagens, dados relevantes para a notícia…

A equipe fica responsável também por resolver algumas questões burocráticas, como lugar de gravação, horários e autorizações de acesso.

O repórter, neste caso,  apenas recebe o compilado de informações e vai à campo produzir o material, seja ele uma reportagem, uma entrada ao vivo ou boletim.

Ao retornar à redação, ele escreve, aprova com o editor o conteúdo e grava o off (a parte narrada da matéria) que, junto às imagens coletadas em campo, vai para edição final.

Mas, como comentamos, há exceções…

Em outros meios, como internet, rádio, agência de notícias ou impresso, é muito comum o próprio repórter se pautar e exercer a função de produtor da própria matéria.

Claro que, a depender da necessidade, repórteres de televisão também podem contribuir em outras funções, como produção e edição de texto.

Por isso, é uma profissão que necessita de muito preparo, estudo e resiliência, afinal, para reportar a vida, cada dia será uma história diferente, literalmente.

Quais são as áreas de atuação do repórter?

Repórter Geral

repórter geral

O primeiro e mais comum é o repórter geral.

Ele é o profissional que cobre o cotidiano, por exemplo, de uma cidade ou área de cobertura do veículo de comunicação para o qual trabalha. 

Diariamente trará informações gerais e de utilidade pública:

  • Trânsito;
  • Saúde;
  • Serviços públicos;
  • Eventos culturais;
  • Economia;
  • Entre outros.

São profissionais que todos os dias abordam e reportam pautas dos mais variados tipos, a depender do assunto de relevância naquele momento.

Há, porém, editorias (que são como divisões dentro do jornalismo ou de um veículo de comunicação).

Existem repórteres especializados em determinados assuntos e que produzem apenas matérias relacionadas ao seu nicho/editorial.

Repórter Investigativo

repórter investigativo

Ele atua no acompanhamento de casos de atuações ilícitas, na maioria das vezes, por parte de autoridades, lideranças, empresas e entidades públicas e privadas.

Além do máximo sigilo, há outros requisitos obrigatórios utilizados diariamente por esses profissionais, como:

  • Analisar documentos e contratos;
  • Manter contato com autoridades e órgãos públicos;
  • Ter conhecimento legal e jurídico;
  • Bom senso crítico e analítico.

Um dos casos mais famosos de jornalismo investigativo é o de Watergate.

Após o que seria um simples assalto ao escritório do partido democrata dos Estados Unidos, por meio de um informante anônimo, os jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein foram atrás de evidências que geraram provas do real motivo daquela ação.

Foi revelado um grande esquema de espionagem envolvendo diretamente o presidente Richard Nixon, que buscava a reeleição e vigiava as ações de seus oponentes políticos. 

O caso que veio à tona após sua reeleição o fez pedir a renúncia do cargo.

Repórter Esportivo

tino marcos

Todo fato ou história em torno do esporte é de responsabilidade do repórter esportivo.

Este profissional acompanha as diversas competições dos mais variados esportes que acontecem em sua área de cobertura.

Desde as regionais e de categorias de base, até as competições internacionais, como a Copa do Mundo de Futebol e as Olimpíadas.

É muito interessante observar que o repórter esportivo também cumpre um papel social muito importante ao trazer à luz discussões em torno das práticas esportivas. 

Ao contar diferentes histórias e fazer a população se encantar por modalidades menos tradicionais, está dando visibilidade a atletas que, por vezes, têm menos holofotes.

Então, é claro, para além de gostar de esporte, é importante também ter essa consciência da sua responsabilidade social.

Repórter de Entretenimento

titi müller

Televisão, séries, cinema, teatro, música, musicais…

Sim, tudo isso é pauta para o repórter de entretenimento.

Embora seja o sonho de muita gente trabalhar falando sobre tudo isso, nem só de lazer vive este profissional.

É preciso muito preparo e uma grande bagagem de conhecimento e referências para atuar nesta área.

Esse repórter também demonstra um senso crítico em relação à obra de entretenimento que irá reportar, afinal, há uma linha muito tênue entre entretenimento e arte, não é verdade?

Além disso, o inglês precisa estar muito bem afinado, logo que muito material jornalístico pode provir de fontes estrangeiras, a depender do nicho ao qual se escreve.

Vale destacar que também é esse repórter que é enviado para cobrir eventos internacionais, como:

Oscar, Grammy, Emmy, Comic Con, premiações televisivas, shows, estreias de filmes e musicais, exposições.

Onde o repórter pode atuar?

casimiro

Quando falamos sobre a atuação de um repórter, é muito comum lembrarmos dos meios mais tradicionais, como televisão e rádio.

Porém, a área de comunicação vem passando por mudanças a cada ano.

A presença da internet e das redes sociais impactam diretamente na forma como consumimos informação.

Logo, mudam também alguns aspectos em todo o mercado:

A forma de se comunicar, oportunidades de trabalho em plataformas diversas, os regimes de contratação e até mesmo nas licitações de transmissão de campeonatos, torneios e eventos.

Exemplo disso é a CazéTv no Youtube.

O canal do jornalista Casimiro, conquistou os direitos de transmissão dos jogos da Copa do Mundo de Futebol Masculino, Feminino e mais recentemente da Copinha.

A transmissão de competições de diversos segmentos esportivos e de eventos dos mais variados tipos em plataformas de streamings também já é uma realidade.

Essas mudanças impactam positivamente na profissão de repórter.

Afinal, com a descentralização dos direitos de transmissão, é necessária a contratação de mais profissionais para atender a essas novas demandas.

Não podemos deixar de citar os sites de notícias que, apesar de já podermos chamá-los de “tradicionais”, são ótimas oportunidades de trabalho para essa profissão.

Athon-MBA

Com o crescente fluxo e informação as pessoas buscam nos portais de notícias credibilidade e confiança no reporte dos fatos.

A atuação em agências de notícias e assessorias de imprensa também são possibilidades.

E, ao contrário do repórter que comunicará para o público geral, neste caso ele falará com os veículos de imprensa. 

Ou seja, é o jornalista reportando a outro jornalista.

Da mesma forma, vale lembrar dos repórteres correspondentes, que são contratados por um veículo nacional para reportar os acontecimentos mundiais das principais capitais do mundo.

Quanto ganha um repórter?

De acordo com o site vagas.com e glassdoor, o ganho inicial de um repórter é de R$2.000,00, podendo chegar até R$9.000,00 e com uma média salarial de R$3.008,00.

Segundo o Quero Bolsa, é no Distrito Federal que está a maior média salarial do país, sendo de R$5.336,83.

Vale lembrar, porém, que há muitos fatores que interferem no salário, como:

  1. Tempo de serviço;
  2. Especialização em editorias;
  3. Acúmulo de funções;
  4. Localidade de trabalho;
  5. Nível de responsabilidade na contratação (correspondentes, por exemplo, ganham mais que os locais).

Como ser um bom repórter: 10 dicas para se destacar

O primeiro e mais importante passo para se tornar repórter é cursar a faculdade de jornalismo, afinal, todo repórter é um jornalista.

Buscar uma boa formação superior é fundamental para iniciar na carreira.

Além das habilidades técnicas, há outras que também são essenciais:

1. Ter uma comunicação clara e efetiva

Tanto no que tange a transmissão de informação para o público, como também na relação com a equipe de trabalho. 

Quanto menos lacunas de entendimento, melhor será o desenvolvimento do trabalho de todos e a recepção da mensagem transmitida.

2. Ter habilidade com a escrita

Trabalhar com jornalismo, de uma forma geral, é exercer a arte da escrita.

Independente do meio de atuação do repórter, saber organizar e estruturar as informações em bons textos, sejam eles falados ou escritos, é uma necessidade diária.

3. Ser organizado 

A notícia não espera!

Isso significa que perder o timing do fato é menosprezar o próprio trabalho

Logo, ser organizado é essencial, seja com prazos, pautas, contatos com fontes e horários a cumprir nas entrevistas marcadas ou nas entregas demandadas.

4. Ter conhecimento abrangente

 “O jornalista é, ao mesmo tempo, quem mais sabe e quem menos sabe”.

Essa famosa frase no meio jornalístico resume bem a vida do repórter.

Mesmo não sendo um profissional especialista em todos os assuntos, ter conhecimento e repertório amplos torna-se imprescindível para se comunicar bem.

5. Ser curioso

Todo jornalista precisa ser inquieto e curioso

Aceitar o conformismo e não buscar conhecer e entender novos entendimentos e realidades é sinônimo de estagnação em uma profissão que está em constante mudança. 

Só assim é possível ir além e se destacar.

6. Ler constantemente

A leitura, além de apresentar novos conhecimentos, também ajuda no desenvolvimento do estilo de escrita, ambos de extrema relevância para todo repórter.

7. Desenvolver habilidade de pesquisa

Ir atrás de informações requer habilidade e é fator de diferenciação entre uma matéria mais elaborada e com assinatura dos habituais factuais.

8. Ser ético e íntegro

O jornalismo exerce um poder muito grande de fala e de dar voz

E “com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades”. 

A falta de ética e integridade de um repórter não suja apenas sua imagem pessoal, mas também de toda a categoria, descredibilizando-a.

9. Ser fluente em diferentes línguas

Quanto mais conhecimento, melhor!

Ser fluente em diferentes línguas contribui tanto para buscar diferentes informações e referências, como também abre mais possibilidades dentro da profissão.

10. Saber fazer networking

Jornalismo não é feito sozinho.

Seja dentro de uma redação, seja nos trabalhos em campo, reportar fatos e contar as histórias dos outros requer um trabalho amplo e em conjunto. 

Quanto mais contatos tiver, mais rica de conteúdo e possibilidades a profissão será.

5 grandes repórteres que são inspirações

Vladimir Herzog

Vladimir Herzog

O nome de Vladimir Herzog é sinônimo de luta pela democracia e pelos direitos humanos

Foi apresentador do jornal Hora da Notícia, na TV Cultura.

Além de jornalista, Herzog também era ativista e militante político durante o período da ditadura militar no Brasil e lutava pela democracia e liberdade de expressão.

Após ser detido pelas autoridades do regime, foi torturado e assassinado em 25 de outubro de 1975.

A data de sua morte foi declarada Dia Nacional da Democracia e Luta pela Justiça, como forma de reconhecimento aos seus feitos.

O jornalista também é homenageado todo ano por meio do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Glória Maria

Glória Maria

Sem sombra de dúvidas você já ouviu falar de Glória Maria.

Glória foi uma grande referência não apenas pelo seu profissionalismo, mas também pela sua atuação como mulher negra dentro da imprensa brasileira.

Produziu matérias dos mais variados assuntos e produziu reportagens em mais de 170 países sobre diferentes culturas, etnias e grupos sociais.

Foi uma das principais vozes na luta contra o preconceito no Brasil, se posicionando publicamente diversas vezes sobre o assunto.

Recebeu diversos prêmios ao longo da carreira, incluindo o Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, em 1995. 

Glória faleceu em 2023 e foi uma das perdas mais sentidas em todo o país, inclusive para pessoas de fora do meio jornalístico.

Caco Barcelos

Caco Barcelos

Outra grande referência é Caco Barcelos no que diz respeito ao fazer um jornalismo crítico e comprometido com a transformação social.

Atualmente, Barcelos está inserido como repórter especial da equipe do Profissão Repórter.

O programa no qual se destaca pelas reportagens investigativas sobre temas sensíveis de maneira crua e intimista.

Uma verdadeira aula para qualquer profissional que quer seguir o mesmo caminho.

O jornalista também é autor de grandes obras, como “Rota 66”, livro que denuncia o abuso de poder por parte da polícia, em especial durante os anos 1980.

Patrícia Campos Mello

Patrícia Campos Mello

Outro nome de peso quando falamos de jornalismo investigativo é o de Patrícia Campos de Mello. 

A jornalista brasileira acumula diversos prêmios nacionais e internacionais em sua carreira por matérias sobre denúncias de corrupção e em defesa aos direitos humanos.

Como exemplo, podemos citar o Prêmio Maria Moors Cabot, da Universidade de Columbia, dos Estados Unidos.

Mais recentemente, em 2020, ganhou o Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa por sua reportagem sobre o escândalo de fake news envolvendo o Facebook na eleição presidencial brasileira de 2018.

Márcio Gomes

Márcio Gomes

Marcio Gomes iniciou sua carreira na década de 1990, ainda como redator na rádio Opus 90

O jornalista teve passagem pela Record, mas foi na Globo News que realmente se destacou, como repórter e editor.

Além de ficar à frente de telejornais regionais de São Paulo e do Rio de Janeiro, também foi âncora nas bancadas do Bom Dia Brasil e do Jornal Nacional.

De 2013 a 2019, foi correspondente da emissora no Japão e em 2020, foi extremamente elogiado pelo seu trabalho no noticiário de Combate do Coronavírus.

Mais recentemente, o jornalista recebeu o convite de contratação na CNN Brasil, veículo ao qual integra a equipe de jornalismo atualmente (2024).

“Quem vê glamour, não vê corre”

Talvez essa seja uma das frases que melhor define a função de repórter (diríamos até mesmo de todo jornalista).

Sem sombra de dúvidas, o brilho de ver sua reportagem publicada ou indo ao ar, e principalmente surtindo efeitos positivos na sociedade, é enorme.

Mas como você pôde ver, é uma responsabilidade e um compromisso gigantesco e que requer muito trabalho. 

Embora desafiadora, não podemos negar que a profissão de repórter é uma das mais admiráveis e que causa impactos profundos na sociedade.

Quer se tornar um grande repórter também?

Então, conheça o curso de Jornalismo da Athon e dê esse primeiro passo na carreira!

Quer receber informações sobre inovação e mercado de trabalho?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.